FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Camisinha nas escolas


O Ministério da Saúde anunciou que pretende ampliar a distribuição de camisinhas para jovens nas escolas públicas, após uma pesquisa constatar que 45% dos estudantes ouvidos tinham vida sexual ativa e que 30% não haviam usado preservativo na sua mais recente relação. A polêmica se formou.

Muitos dos ouvidos, inclusive pedagogos, falaram que tal iniciativa geraria uma estimulação precoce da sexualidade, o que é rebatido pelo governo, com base na pesquisa da Unesco que vê de forma impostergável a necessidade de uma política pública sobre o assunto, sem qualquer omissão ou hipocrisia, com o que concordo plenamente.

 

Ora, ora, achar que os jovens vão fazer mais sexo, ou começar a fazê-lo mais cedo por causa da facilidade de se ter o preservativo é, em meu entender, uma visão muito estreita para um assunto que há muito já faz parte das conversas da garotada. Vejo, muito pelo contrário, que a discussão levará a uma quebra de tabu, inclusive de diversos jovens, que, muitas vezes, necessitam de um atalho, de uma “desculpa” para saber sobre temas “proibidos” de maneira travessa, sem ser direto. Ou seja, os jovens terão motivos para tocar no assunto de maneira mais natural, pois não será a sua privacidade em questão, mas o que está em voga.

É claro que a família terá também, aí, o seu papel, que vem delegando à escola, de conversar sobre o tema, colocando de forma clara, objetiva, como as escolhas devem acontecer, sem pressão, sem modismo, mas de acordo com a vontade e discernimento de cada um. E ao governo, não apenas por as máquinas de preservativos nas escolas, mas contextualizar tudo dentro de um projeto pedagógico maior, de alcance mais abrangente.

É um absurdo esta forma hipócrita que a nossa sociedade enfrenta determinados assuntos e/ou problemas, dando uma de avestruz, colocando a cabeça debaixo da terra e fingindo que nada acontece em seu entorno. Penso que a falta de orientação e a quebra de tabus sem sentido aos jovens é um desrespeito à ignorância dos mesmos, que, por falta de vivência e natural aprendizagem na vida, fazem gerar arrependidas consequências no âmbito de muitas famílias.

José Medrado
Mestre em Família pela UCSAL
Fundador da Cidade da Luz

 

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Leave review
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia mais

Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós - 23/07/18

Leave review
Entendo que arte é tudo aquilo que nasce da livre manifestação da criação h...
Leia mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Leave review
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia mais

Ainda sobre o casamento gay - 13/05/19

Leave review
Há quase uma semana aqui, o BNew divulgou uma notícia: Pastor evangélico ce...
Leia mais