FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

E o Pós Pandemia? - 30/03/2020

Nesses tempos de coronavírus relembrando que há muito as pesquisas anuais da organização britânica Charities Aid Foundation (CAF), em parceria com o Instituto Gallup, divulgadas pelo World Giving Index indicam que o Brasil não é um país solidário. A cada ano os indicadores brasileiros só vêm despencando. Na última pesquisa, o Brasil caiu, entre 146 países pesquisados, da posição 75 para a 122. Muito triste, mas de tão fácil percepção.


Não faz muitos dias, presenciei ao entrar em uma farmácia para comprar um anti-histamínico, uma discussão inusitada, para falar o mínimo: uma senhora viu um vidro de álcool em gel sobre o balcão e quis comprar, ao que a vendedora disse que aquele era para o uso dos clientes – já estava pela metade -, ali, naquele momento de compra...mal a funcionária acabou de falar, como um flecha, uma outra senhora veio da outra extremidade do balcão, vociferando: se vender para ela, vai ter que dividir, pois também quero.  Confesso que fiquei atônito, inclusive porque uma pequena discussão se iniciou entre as duas “cidadãs” que queriam o que não estava à venda, era para uso coletivos. 


Ora, certamente você que está lendo estas despretensiosas palavras vai começar a lembrar de algum episódio envolvendo a tal farinha pouca o meu pirão primeiro, sem qualquer noção de cidadania, de empatia com o outro. Na mesma hora me veio uma imagem de um tsunami recentemente ocorrido no Japão e uma fila, organizada, onde cada pessoa recebia uma pequena garrafa de água mineral, de forma ordenada, sem os fura-filas, sem reclamações. 
    
Alguém se lembra de Brumadinho e Mariana, das centenas de mortes, da movimentação nacional por ajuda? Saiu da mídia, deixa de ser foco.

Por outro lado, ainda pior, uma queda de braço e mesmo torcida para que um lado (a favor da quarentena horizontal) e o outro (da vertical) vibrando para que a sua posição seja a vencedora. O que implica em torcer para ver quantos mortos e danos poderão ser contabilizados a favor de quem defende um ou outro lado. Tudo muito triste e bisonho.  

Dessa forma, infelizmente, vou na contramão de quem está dizendo que esta pandemia fará as pessoas a terem uma visão diferente da vida, de sua forma de conduzir suas questões pessoais e coletivas.


Honestamente? Talvez quando passar essa tragédia e termos a dimensão de tudo que possa ter acontecido, acredito que se guardará um pouco dos resquícios do medo, da angústia...das lembranças, mas com o passar do tempo tudo – espero estar enganado – voltará ao mesmo patamar do egoísmo de sempre. Infelizmente. 


José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio.

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Deixe a revisão
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia mais

Ainda sobre o casamento gay - 13/05/19

Deixe a revisão
Há quase uma semana aqui, o BNew divulgou uma notícia: Pastor evangélico ce...
Leia mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Deixe a revisão
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia mais

Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós - 23/07/18

Deixe a revisão
Entendo que arte é tudo aquilo que nasce da livre manifestação da criação h...
Leia mais