FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Estão me plagiando, que bom!

Há muito tempo, venho sofrendo severas críticas por romper o padrão divaldiano de palestra. Procuro dar uma nova roupagem com o fito de melhor, em minha avaliação, alcançar as pessoas e nelas depositar uma semente de busca. Nunca tive a arrogância de achar que iria transformar pessoa alguma em espírita, e também não era a minha intenção, mas sempre

quis semear algo mais, digamos, “soft”, a fim de que o medo, os preconceitos fossem dissipados da mente dos leigos. Sabem, aquela coisa de que Espiritismo é para ver espíritos, mesa levitando... e por aí vai.

Claro que o movimento oficial não perdoa, quebrei um parâmetro. O problema não está em não falar igual a Divaldo, pois Divaldo fala como Divaldo, não é marca oficial espírita. É estilo, caminho estruturado para doutrinador. É o jeito dele, construído em mais de 60 anos de pregação. Infelizmente, muitos veem como o protótipo a seguir, daí terem surgido centenas de Divaldos fracos pelo mundo afora. Uma espécie de arremedo do original. Também tive esse meu momento, mas quebrei com essa cadeia. No entanto, sempre abracei a necessidade da renovação.

Não contra A ou B, mas a favor de uma pregação mais aberta, mais contemporânea, mais para os jovens. Os argumentos contrários, no entanto, eram tão tolos, do tipo: Espiritismo é coisa séria, mas quem disse que não sou? Não se pode pregar de qualquer forma, mas quem determinou a forma?

Mas, alguém parece que pegou a minha mensagem e viabilizou dentro da Federação Espírita Brasileira, pois na divulgação do seu congresso, creiam, eles assim estão dizendo, palavras deles: Mudar a forma, mas preservando o conteúdo. Mantendo a ética, que é a própria doutrina, e renovar a estética, deixando-a bela, moderna (nos tempos atuais); o mundo real (nosso dia a dia), deste tempo (o aqui e agora), como se feita para mim (falando comigo) e tem que ser pertinente. Colocar no papel o que precisa ser disseminado. Melhorar a forma para valorizar o conteúdo. Desenvolver uma comunicação direcionada aos jovens e público em geral, espíritas e não espíritas.

Pois é, tudo que sempre disse, e alguém me plagiou; que bom que o fez, mas, é claro, vão dizer que nada tem a ver com o baiano José Medrado. Que importa! Agora parece que vão arejar a mente. Começaram a entender que não se pode estipular padrão para o que é de natureza individual: o ser, o espírito.

Ainda está longe, eu sei, mas haverá um dia onde os dirigentes de órgãos oficiais do espiritismo – oficiais para eles, pois a nós não existe subordinação alguma – entenderão que não são donos na nossa religião, nem hierarquização, onde, à semelhança de Bulas papais, opiniões são exaradas e devem ser seguidas, sob o risco de se ser proscrito.

O Espiritismo é sábio em si mesmo, porque não institui princípios de força de ego inflado, mas a sua vivência de maneira dócil e naturalmente simples, sem arremedos de santidade. Deveria ser assim, mas os homens o estão desfigurando. Porém, quem sabe se já não se vê no horizonte uma nova mentalidade?

José Medrado
Líder Espírita
Fundador da Cidade da Luz

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Leave review
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia mais

Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós - 23/07/18

Leave review
Entendo que arte é tudo aquilo que nasce da livre manifestação da criação h...
Leia mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Leave review
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia mais

Ainda sobre o casamento gay - 13/05/19

Leave review
Há quase uma semana aqui, o BNew divulgou uma notícia: Pastor evangélico ce...
Leia mais