FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Faça o que eu digo, mas... - 22/04/19

Penso que todo mundo completou o pensamento-título desta reflexão. Vamos lá: é fato que o mundo virtual há muito se tornou uma área de donos da razão, de “filósofos especialistas em tudo”, em “doutores” de política nacional e internacional, de pós-graduados em achismo, pessoa alguma duvida.  É só dar uma caminhada visual rapidinha pelas redes sociais. Porém o que mais me chama à atenção é a naturalidade com que expressam “posicionamentos”, “críticas” mordazes, sem qualquer compromisso em estar fazendo o que se condena, ou seja, a velha e oportunista hipocrisia de sempre.


Vi nesses dias uma saraivada de comentários contra as doações bilionárias para a reconstrução da Catedral de Notre-Dame, em geral fazendo comparação com os países arrasados pelo ciclone – Moçambique, Malawi e Zimbábue (tragédia terrível) – que já estão esquecidos. Os críticos revoltados com o desprezo dado a esses países. Compreendo, claro. Mas, acostumado a refletir as questões humanas, por formação acadêmica e até mesmo pelo exercício da minha função religiosa, de logo, me sobressaem as questões: 1 – Certo, mas o dinheiro é de quem? De quem doou. Ok. Não é meu, nem público do meu país. 2 – Mas se fosse seu, você faria o quê? Doaria para os países africanos. Certo. Parabéns. 3 – Mas por que não doa? Ah! Não tenho tanto dinheiro assim. Mas é claro. Ok. 4 – Mas há organizações que pedem R$ 30,00, por mês, por exemplo, Médicos sem fronteiras, que fazem trabalhos como esta que trás no nome a sua ação? Também não posso. Ok. 5 – Mas você poderia encabeçar alguma campanha, para ajudar alguma instituição, à sua vista,  como por exemplo o IBCM (Instituto Beneficente Conceição Macedo) que trabalha com crianças portadoras de HIV- Aids, que bandidos roubaram colchonetes, cadeiras....você pode se mobilizar com os seus amigos?  (...). É disso que eu falo, você entende? 


Sei que ao escrever isto, gero desconforto, aborrecimento, mas, desculpem-me, é a pura realidade. Aprendi com Josué Arapiraca, ele foi lutador de greco-romano, tinha uma academia de ginástica na Praça Sé e conduzia um centro espirita na Baixa do Bonfim, que dizia com grande propriedade: “Pregação sem exemplo é igual a cheque sem fundo”. É isso... Desculpe.



*José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Escreve para o BNews às segundas-feiras.

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Leave review
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia Mais

Mergulho nas profundezas de si mesmo - Psicografada em 25/10/18

Leave review
O encontro consigo mesmo é uma das maiores e mais fascinantes aventuras! Co...
Leia Mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Leave review
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia Mais

A ressurreição bíblica em outro corpo é a prova da reencarnação - 08/05/17

Leave review
Quem lê essa coluna e meus livros sabe que eu procuro conciliar o espiritis...
Leia Mais