FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Jesus iria à lavagem? - 15/01/2020

Amanhã acontecerá a tradicional Lavagem do Bonfim, fazendo prevalecer o princípio de que “quem tem fé vai a pé” e milhares vão, em especial os políticos. Chama-me a atenção, no entanto, que todos querem chegar ao adro da Igreja e receber as águas de cheiro, espargidas pelas filhas e mães de Santo, é aí que eu me pergunto: onde estão estes milhares quando o Candomblé, religião que representa vivamente a manifestação, sofre intolerância? Onde estas cabeças que querem bênçãos das Yas estão, quando os terreiros delas são invadidos? 


É natural este nosso sincretismo, este jeito bem baiano de ser: é a riqueza de nossa gente, de nossa cultura. O Candomblé comanda, os cristãos não-dogmáticos se rendem. Por esse e outros motivos, precisamos ser mais cristãos e menos pregadores de conveniências e recalques. Alguém já disse que estamos vivendo momentos estranhos, esquisitos, inclusive na seara dos que se dizem cristãos. Ódio disseminado em comentários; bocas que proclamam o amor de Cristo, mas que vociferam anátemas contra homossexuais e outros seres humanos, em seus direito de ser. Onde Cristo está nestas pessoas? 


Faz muitos anos fui presenteado, por uma amiga dirigente espírita, com o livro do protestante Charles Sheldon, “Em seus passos, o que faria Jesus?”. No livro, os membros de uma igreja começam a se perguntar “O que Jesus faria?”, antes de cada atitude a ser tomada e começam a ver a diferença que isso faz. Precisamos nos perguntar exatamente isso. Será que Jesus condenaria a Lavagem, ou iria montado em um burrico? Iria certamente andando, já que burros estão proibidos. Nos dias atuais como faria Ele: tomaria em seus braços os menos favorecidos?


Fazendo ainda valer o quando fizeres a um destes pequeninos irmãos a mim o fizestes; Jesus acolheu os rejeitados, demonstrando amor pelos desprezados da sociedade, chamando um cobrador de impostos para ser discípulo; perdoou sempre com o seu amor, haja vista a mulher adúltera; não discriminou, aceitou a rica Joana, que era esposa de Cuza, procurador de Herodes Antipas; apresenta-se depois da morte por primeira vez àquela que teria sido prostituta, Maria de Magadala. 


Vejo, porém, a Sua força arrebatadora quando confronta a hipocrisia, pronunciando contra pessoas que falam em nome de Deus para ferir outras. Ele, não. Afirmou o Seu, nosso Deus cheio de compaixão e misericórdia. Esse é o Jesus que vejo, sinto, e nada, nem ninguém fará mudar o meu entendimento sobre esta força. Sejamos, então, mais realmente cristãos e não os velhos de sempre: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança”. Então, como Jesus faria nos dias atuais? 


José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz


José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Leave review
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia mais

Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós - 23/07/18

Leave review
Entendo que arte é tudo aquilo que nasce da livre manifestação da criação h...
Leia mais

Ainda sobre o casamento gay - 13/05/19

Leave review
Há quase uma semana aqui, o BNew divulgou uma notícia: Pastor evangélico ce...
Leia mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Leave review
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia mais