FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Amor Paternal


Espírito: A.F.

Médium: Maria Sílvia

Psicografado: Em 15/11/2013 - Associação Espírita Pão e Luz - Camaçari - Bahia.


Amor Paternal


No claustro sombrio dos próprios sonhos, amparava-te a esperança e a luz divina do amor paternal. Era inexistente o teu leito e sobre o farrapo em que te tornastes, as criaturas noturnas te mordiscavam a epiderme negra buscando o alimento tão escasso. Já não os sentia, apenas a sensação de leveza que o entorpecia. O cárcere imundo e escuro aos poucos se transformava e o odor fétido das próprias feridas parecia agora substituído por um perfume suave e encantador. Pensavas no filho amado, dono do teu coração e por quem naquele momento ansiava e pedia: - Filho da minha alma onde estás? Por te vivi até agora tentando reter na fraca memória as palavras que me dissestes um dia: Pai eu voltarei!


Os anos passaram e a escura noite parece aproximar-se de minha alma, querendo tragar toda a esperança que guardei até agora dentro de mim. Arrancaram-te dos meus braços, mas guardo-te ainda a face triste que me repetia: “pai eu voltarei”! Desde então vivo para esperar-te. Creio no entanto filho meu, que não conseguirei aqui ficar por mais tempo. Uma sensação que parece suavizar a dor do corpo velho e cansado me visita, e uma luz começa agora a derramar neste cárcere triste e abandonado numa linda cor de anil. Lembro o menino Jesus nos braços da Virgem abençoada, e penso em te filho amado. Nascestes em berço escravo e tua mãe não resistindo ao sofrimento imenso deixou-te órfão em meus braços. Já rapazinho venderam-te no mercado, pois o pai já cansado a ninguém mais servia. Pai eu voltarei...escuto a tua voz.


Como demoras, a saudade é tão grande, o tempo se acaba, onde estás meu filho?

- Pai amado estou aqui, aquieta-te em meus braços, pois jamais me afastei de ti. Meus pensamentos te acompanharam, buscando a presença amiga todos os dias, e quando o punhal infame me transferiu para cá, acompanhei o teu martírio buscando amenizar lhe a dor de cada ferida, de cada chicotada. Estou aqui...


Teus olhos então se abriram e eu te perguntei: Não consegues me ver?


- Sim meu filho, vejo-te agora o semblante iluminado. Você voltou Porfírio, você voltou! Abraça-me, abraça-me filho, como te esperei!


A matéria inerte quedou-se no chão frio e pestilento, e tua alma radiante me perguntou:


Que luz é esta Porfírio, e que perfume este que me envolve, sinto-me leve, feliz, que luz é esta?


É o teu coração Paizinho, é o teu amor que me ilumina e me aquece, É Jesus vivendo em ti, o nosso Salvador, o nosso Mestre.


A.F.
15/11/2013

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Ainda no espiritismo os agêneres com as suas variantes congêneres

Leave review
Por causa de dúvidas sobre os agêneres entre leitores desta coluna de O TEM...
Leia mais

Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós - 23/07/18

Leave review
Entendo que arte é tudo aquilo que nasce da livre manifestação da criação h...
Leia mais

Cultivo do Ódio - 10/09/2018

Leave review
A psicologia social afirma que o ódio está para os seres humanos, da mesma ...
Leia mais

Mergulho nas profundezas de si mesmo - Psicografada em 25/10/18

Leave review
O encontro consigo mesmo é uma das maiores e mais fascinantes aventuras! Co...
Leia mais